O universo fascinante da literatura

Alguém disse que escrever um livro consiste na experiência mais próxima de se gerar um filho; talvez seja; de qualquer forma, um livro sempre será, metaforicamente, um filho. Desde que publiquei minha primeira obra, Adoração em Chamas, em 1986, pela CPAD do Rio de Janeiro, decidi escrever pelo menos um livro a cada novo ano. E tenho conseguido.

Primeiro foram livros devocionais: Para que todos Sejam Um (Vida, SP) e A Caminho da Maturidade (CPAD, RJ); na sequência, mergulhei no campo da literatura ilustrada para crianças: Parábolas de Jesus (Sabida, Blumenau), Milagres de Jesus (Sabida, Blumenau), Série Grandeza: virtudes gregas (Letra Viva, Blumenau).

Retomei à literatura evangélica com uma obra que fez sucesso em Santa Catarina: Raízes da nossa fé, narrando a história das Assembleias de Deus (Letra Viva, Blumenau); e produzi biografia: Um apóstolo de crianças, contando a trajetória do Reverendo Woldemar Kinas (GA, Joinville).

Na área política surgiu Ética e Estética na Voz Parlamentar (Câmara de Vereadores de Blumenau) e, no campo acadêmico, Homens, raposas e uvas (FURB, Blumenau); posteriormente, a PUC-RJ publicaria a minha Tese de Doutorado, A transposição da fábula clássica.

Criei também uma série denominada Breves Notas, todas as obras publicadas pela Nova Letra, de Blumenau: O discurso apologético na pós-modernidade; Atos 29; Em cada conto um novo conto; Jeitinho brasileiro; A terra da história bíblica; À procura de Deus; O nascimento de uma nação; e, Percursos do processo educativo.

Participei, também, de duas coletâneas: Ultrapassando Barreiras, com o texto O teste da unidade (Vida Nova, SP) e Momentos com Deus, com 90 devocionais de minha autoria (SBN, Blumenau).

Apaixonado por ficção, decidi escrever focando o público jovem: Na esquina do pacificador (Letra Viva, Blumenau); A igreja da Rua 37 (Letra Viva, Blumenau); Mediterrâneo, a imaginação não descarta a possibilidade (Letra Moderna, Blumenau); Bilhete no Muro (Nova Letra, Blumenau); Pedra Lapidada (Nova Letra, Blumenau) e Na Trilha do Tibet.

Para não esquecer o público infantil, escrevi um livro com a participação de uma das melhores ilustradoras do Brasil, a artista Mônika Papescu, com o título O barquinho azul.

 Quantos leitores eu conquistei? Seria arriscada qualquer projeção; porém, esta meia centena de obras atingiu mais de 500 mil livros publicados. Não amealhei nenhum prêmio ou mesmo o reconhecimento dos intelectuais; entretanto, não raro tenho sido surpreendido com elogios inusitados dos meus leitores. Certo dia, recebi uma carta de alguém que encontrou minha obra Adoração em Chamas em uma livraria na ilha chinesa de Macau. Gratificante!

Além dos livros, publiquei centenas de artigos em jornais e revistas. Registro também meu compromisso em distribuir periodicamente, desde 1992, o boletim informativo Voz & Ação, buscando informar meus eleitores de minhas atividades parlamentares.